15.5 C
Ijuí
sábado, julho 20, 2024

A vaga para ministro do Supremo Tribunal Federal e representatividade das mulheres

Nesta semana, o Presidente da República, em sua prerrogativa constitucional, indicou seu escolhido para postular uma cadeira no Supremo Tribunal Federal, o qual, se aprovado após sabatina do Senado, ocupará uma das 11 vagas na mais alta corte do país. Ocorre que, a vaga em questão, era da Ministra Rosa Weber, que, junto com a Ministra Carmem Lúcia, eram as únicas duas mulheres que compunham o órgão.
Com a indicação de um novo ministro homem, a representatividade, que já era baixa, se reduz significativamente, mesmo tendo em vista que representatividade em espaços de decisão e poder é fundamental para qualquer sociedade que se pretenda democrática.
Mas o que significa representatividade, e porque ela é importante na nossa vida? Na prática, ela não diz sobre ocupar espaços para satisfazer egos de determinados grupos, como erroneamente ouvimos por aí.
A questão é mais profunda, e se refere à visões de mundo, perspectivas sociais, vivências e compreensões de mundo que orientarão a tomada de decisões que vão repercutir sobre todos nós.
Em uma sociedade ainda profundamente patriarcal e racista como a nossa, os processos de subjetivação de cada sujeito, de homens e mulheres são diversos, orientados para mundos, interesses, necessidades e valores diversos.
Nestes termos, não é apenas uma mulher que deixa de estar em um espaço de poder, mas são as necessidades, interesses, valores de mais da metade da população brasileira, composta por mulheres e pessoas negras que deixam de estar ali representados. E isso, inegavelmente, não pode ser compatível com o pacto democrático.

 
 
*A notícia completa está na versão impressa do Jornal da Manhã.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

spot_img

Últimas NOTÍCIAS